sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Futebol arte

video

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Futebol do fim de semana

video

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

História do seu clube...

Corinthians

Trabalhadores humildes fundaram, no Bom Retiro, o time de futebol que teria nome em homenagem ao inglês Corinthian Football Club, em excursão pelo país naquele 1910 – chamado de Corinthian’s team, em inglês. Os fundadores, que deixaram de lado as sugestões de Santos Dummont, Carlos Gomes e Guarani, ficaram mesmo com o Corinthians, que em dez dias já estreava contra o União da Lapa, equipe de várzea.

Do campo de um vendedor de lenha (“Campo do Lenheiro”) na atual Rua José Paulino, o Corinthians teve um campo junto à Ponte das Bandeiras e depois o Estádio Alfredo Schürig, no Parque São Jorge, para 18 mil pessoas. O uniforme, de azul marinho e creme, passou a preto e branco pela maior facilidade de se encontrar o tecido nessas cores. Hoje, as estrelas douradas representam os títulos brasileiros; a filetada em prata, o título do Mundial de Clubes da Fifa.


A década de 20 foi produtiva. A partir do título do Paulista de 1922, o Corinthians ficou conhecido como o “Campeão do Centenário” (do Brasil), somando dois tricampeonatos (1922/23/24 e 1928/29/30). Nos anos 50, fazia história o “Ataque dos 100 Gols”, com Carbone, Cláudio, Luizinho, Baltazar e Mário. Foram 100 gols em 30 jogos do Paulista de 1951. O Corinthians ainda foi campeão do Quarto Centenário, em 1954, conquistou a Taça dos Invictos em 1956/57, mas depois passou por um período difícil. Mesmo com um grande time, quando contava com Garrincha, já em decadência, foram 11 anos sem ganhar do Santos de Pelé, de 1957 a 68.

Em 16 de novembro de 1965 o Corinthians vestiu a camisa do Brasil em amistoso contra o Arsenal, da Inglaterra (que fez 2 a 0). Nos anos mais recentes, fizeram nome no clube jogadores como Wladimir, Casagrande, Viola e Rivelino, que foi titular durante por quase uma década, participando do tricampeonato da Seleção Brasileira na Copa de 70, no México, e que esteve na equipe que disputou a Copa da Alemanha, em 1974.
Também ficou na história do futebol brasileiro a “Invasão Corintiana” de 1976, com 70 mil torcedores no Maracanã, eliminando o Fluminense na semifinal do Brasileiro (o time perderia na final para o Internacional, de Porto Alegre). Depois de 22 anos, oito meses e sete dias, o Corinthians reconquistou um título paulista, em 1977.

Fonte: Federação Paulista de Futebol.

http://www.futebolpaulista.com.br/clube.php?cod=3&ref=1

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Zoando o amigo Palmeirense



Não dá para não rir....



contribuição:http://www.futirinhas.com/

Apaixonados por futebol



Eita, paixão nacional!!!

origem:http://www.humorbabaca.com/quadrinhos/quadrinhos-adultos/apaixonado-por-futebol

Operação Matemática Perfeita

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

História do seu clube.....

Palmeiras

No início do século 20, jovens italianos decidiram fundar um clube cujo objetivo principal seria a formação de um time de futebol que representasse toda a enorme colônia italiana diante das grandes equipes da elite paulistana. A Itália estava reunificada havia pouco mais de três décadas, fato não muito claro para a imensa maioria dos italianos que estavam no Brasil. Em São Paulo, já existiam diversos clubes de italianos, mas cada um representando uma província italiana ou que se dedicavam a outras atividades que não o futebol.

Após algumas reuniões, 46 simpáticos à ideia, liderados por Luigi Marzo e Luigi Cervo, fundaram, em 26 de agosto de 1914, um clube esportivo para todos italianos, ao qual deram o nome de Palestra Itália. Após as dificuldades iniciais, o Palestra Itália disputou sua primeira partida em Votorantim, quando venceu o Savóia por 2 a 0, ganhando a Taça Savóia.

Em 1916, o novo clube se filiou à principal liga esportiva da cidade, disputando seu primeiro jogo oficial. No ano seguinte tornou-se vice-campeão paulista e enfrentou pela primeira vez o Corinthians. O Palestra venceu a primeira partida por 3 a 0 e, no returno, por 3 a 1 o time que viria a ser seu maior rival. Em 1920, o Palestra Itália tornou-se campeão paulista vencendo o jogo decisivo contra o Paulistano.

A equipe continuou crescendo e o estádio Palestra Itália, adquirido em 1920, foi ampliado e modernizado em 1933, quando se tornou o primeiro estádio brasileiro com arquibancadas de concreto e alambrados. A partir de 1964, o estádio foi projetado para ter o campo de jogo suspenso, permitindo visão ampla aos torcedores, além do aproveitamento do espaço no subsolo. O clube seguiu em marcha vitoriosa, conquistou mais campeonatos, e logo no início dos anos 30 tornou-se tricampeão paulista de futebol.

Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1942, por causa de decreto do governo Getúlio Vargas, que proibia a qualquer entidade o uso de nomes relacionados aos países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão), que lutavam contra os aliados, o Palestra Itália foi obrigado a mudar de nome, passando a chamar-se Palestra de São Paulo, mantendo o "palestra", uma palavra de origem grega, que não iria de econtro ao decreto governamental. A mudança não aplacou as pressões políticas e até esportivas e, sob pena de perder seu patrimônio para outro clube e ser retirado do campeonato que liderava, o Palestra viu-se obrigado a mudar de nome novamente.

Assim, às vésperas da partida final do Campeonato Paulista, que seria realizada em 20 de setembro de 1942, a diretoria palestrina mudou o nome do clube para Sociedade Esportiva Palmeiras. Em uma partida tensa, o novo clube derrotou o São Paulo Futebol Clube na final, que terminou antes do tempo normal.

Em 1951, o Palmeiras disputou o Primeiro Campeonato Mundial de Clubes, que contou com a participação de oito times: Vasco da Gama (RJ / Brasil), Áustria Viena (Áustria), Nacional (Uruguai), Sporting (Portugal), Palmeiras (SP / Brasil), Juventus (Itália), Estrela Vermelha (Iugoslávia) e Olympique (França). A final foi disputada em dois jogos entre Palmeiras e Juventus. Os palmeirenses conseguiram vencer um e empatar o outro jogo, conquistando assim a Copa Rio.

Nos anos 1960, o Palmeiras foi o único clube a rivalizar com o Santos de Pelé, passando a ser conhecido como Academia do futebol brasileiro. A equipe, admirada pelos torcedores até hoje, contava com Ademir da Guia, um dos maiores ídolos palmeirenses de todos os tempos. Uma das grandes glórias deste período foi o fato de o Palmeiras ter vestido a camisa da Seleção Brasileira para enfrentar a Seleção Uruguaia na partida de inauguração do estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, em Belo Horizonte (MG). Na ocasião, o Palmeiras venceu por 3 a 0.

Nos anos 1970, o time conquistou inúmeros títulos, tendo sido três vezes campeão paulista, uma delas de forma invicta, e bicampeão brasileiro. Acostumados às grandes glórias da Academia dos anos 1960 e 1970, o torcedor palmeirense viu a década de 1980 passar sem conquistas e aumentar a fila por falta de títulos. Assim, o ano de 1986 acabou se tornando emblemático. No dia 29 de outubro, o torcedor palmeirense assumiu o porco como mascote, em uma partida contra o Santos.

Na década de 1990, o Palmeiras teve mais um período de glórias, que ficou conhecido como a Era Parmalat. Durante o tempo de duração desta parceria, o Palmeiras conquistou títulos importantes. No primeiro ano efetivo da parceria, conquistou o Campeonato Paulista de 1993, o Torneio Rio-São Paulo e o Campeonato Brasileiro. No ano seguinte, o clube foi bicampeão paulista e bicampeão brasileiro. Conquistou mais uma vez o Campeonato Paulista, em 1996 e, em1998, a Taça Mercosul e a Copa do Brasil.

Em 1999, com um time que contava com Evair, Zinho, Alex e Cesar Sampaio, o Palmeiras conquistou um dos mais importantes títulos de sua história: a Copa Libertadores da América. Por ser o maior vencedor das principais competições esportivas nacionais e internacionais, o Palmeiras foi proclamado pela Federação Paulista de Futebol o Campeão do Século 20 do futebol brasileiro.

Desde então, o Palmeiras passou por altos e baixos no Campeonato Paulista e no Campeonato Brasileiro, tendo sido rebaixado na competição nacional em 2002, quando caiu para a Série B. No ano seguinte, a equipe sagrou-se campeã da Série B, voltando à elite do futebol nacional. Em 2008, comandado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, o palmeiras foi mais uma vez Campeão Paulista, feito que não repetiu em 2009, quando ficou com a terceira colocação.

Fonte: Federação Paulista de Futebol. http://www.futebolpaulista.com.br/clube.php?cod=4&ref=1